O poder do pensamento sobre a comida

Este dia está ruim, mereço um sorvete…

Quando comemos reativamente, isto é, sem analisar com atenção as mentalidades enraizadas em nossa mente inconsciente, aumentamos o risco de fazer escolhas alimentares não saudáveis.

Esses modos de pensar podem ter sido moldados pela mais recente campanha publicitária de alimentos ou pela necessidade de enterrar nossa tristeza em um pote de sorvete.

Porém, a menos que estejamos alertas a esses pensamentos e o poder que eles têm para influenciar nossas escolhas, qual é a utilidade de conhecer o número de calorias por porção ou os avisos de um guru da saúde?

A cegueira voluntária

Se você for honesto, vai entender que percebe sim essa “cegueira voluntária” muito bem. Quantas vezes tivemos um dia ruim e pegamos aquele pote de sorvete, sabendo que faria mal para nossa saúde? E quantas vezes o comemos mesmo assim?

As mentalidades inconscientes de “esse dia está sendo ruim; mereço um sorvete” e “sorvete é tão gostoso” substituem a lembrança temporária de “sei que não devia comer esse sorvete porque quero ficar saudável” e “sei que vou me arrepender de ter comido” em nossa mente consciente.

Ninguém nos amarrou e nos obrigou a engolir colheradas de sorvete. Nós selecionamos, ou escolhemos calar nosso conhecimento de saúde a respeito do consumo de gorduras e açúcar refinado. Nós escolhemos comer o sorvete.

No entanto, se não estamos atentos sobre como selecionamos determinados pensamentos relacionados com a comida, e também de que escolhemos ignorar outros pensamentos relacionados à ela, é importante se pergutnar:

como podemos realmente fazer as escolhas alimentares corretas e que sejam duradouras no longo prazo porque estão baseadas em pensamentos saudáveis e sólidos?

A questão é que muitos de nós não sabemos aplicar nosso conhecimento.

O poder do pensamento sobre a comida

Aquilo que pensamos quando escolhemos o que comer influencia o modo como vamos aproveitar aquela refeição e o valor que damos a ela.

Se acreditarmos que certa comida é cara e exclusiva, por exemplo, vamos apreciá-la mais – mesmo que não seja de fato melhor do que uma versão mais barata.

Por outro lado, se pensamos que um determinado alimento é barato nós o valorizamos menos e o aproveitamos menos, ainda que seja exatamente igual à versão mais cara.

Quando a falta de consciência do comportamento alimentar te faz consumir mais do que deveria

E é de forma similar, que estudos têm comprovado que pessoas quando não estão conscientes de seu comportamento alimentar, consumirão alimentos independentemente do nível de fome.

Paul Rozin, professor de psicologia na Universidade da Pensilvânia, evidenciou como pacientes amnésicos que foram avisados que era hora do jantar comeram uma segunda refeição completa cerca de dez a trinta minutos depois de já terem se alimentado. E um terceiro prato dez a trinta minutos depois do segundo, ainda que fisicamente não estivessem com fome.

Apenas pensar que era hora de ter uma refeição ou lanche era suficiente para fazê-los comer! (UAU!)

E não é exagero dizer: a única refeição balanceada é aquela que inclui seus pensamentos.

Eu posso te ajudar com isso, com um treinamento que vai te ensinar:

  • 8 formas para ter mais foco e ser mais produtivo
  • Como ter uma mentalidade produtiva (5 aulas)
  • Como turbinar sua produtividade usando o Trello (1 aula)

Clique aqui no link e adquira já: https://bit.ly/2ZZbBFa

Adaptado de “Pense e coma de forma inteligente”, de Caroline Leaf.
Para saber mais, me siga nas mídias sociais 👇😉

3267
Deixe seu comentário